terça-feira, 11 de junho de 2019

Transforme sua esposa em uma puta


Muitos homens me pedem conselhos para que suas esposas deixem de ser retrógradas e se tornem mais "facinhas".

Eles escrevem coisas assim: "Thays, minha mulher é recatada demais, gostaria que ela fosse uma puta & piranha como você, o que é que eu faço ?"



Eu já abordei este assunto há bastante tempo atrás, basta ver a série de postagens que começa aqui.
e depois segue.

Mas é bom voltar a falar no assunto.




Acho que qualquer esposa consegue se tornar uma puta & piranha, por mais conservadora que seja, se contar com o incentivo de seu marido.

Afinal, o marido pode ter certeza: sua esposa tem um lado puta & piranha. O que o marido tem a fazer, então, é despertar esse lado puta & piranha de sua mulher.




Uma boa técnica para o marido, como já comentei, é pedir para tirar algumas fotos de sua esposa de bikini em uma varanda (em casa ou de preferência em um hotel), argumentando que lá a iluminação é melhor.

Pode ser um biquini normal. Não precisa ser um pequenininho como o que eu usei nestas fotos.




Toda a mulher gosta de ser fotografada. E que mal tem ficar de biquini em uma varanda um pouquinho ?

É claro que o marido deve prometer que ninguém a não ser ele irá ver as fotos. Por enquanto....




Aí, com o tempo, é só ir reduzindo o tamanho dos biquinis cada vez mais. Sua esposa vai sentir e o frisson de ser fotografada quase nua em um lugar aberto e aí quando menos se espera.....

.... sua esposa se torna uma puta & piranha !


segunda-feira, 3 de junho de 2019

Como me comer - FAQ


Continuando minhas explicações sobre como me contratar, aqui estão as dúvidas mais comuns de candidatos a clientes.

É para ficar bem facinho !
 

 
Thays, posso fazer contato com você por outra forma além do e-mail thaysfacinha@gmail.com  ?
THAYS FACINHA: Não.


Podemos combinar um encontro sem que eu mande uma foto minha ?
THAYS FACINHA: Não.



Prefiro não lhe enviar uma foto minha. Tudo bem ?
THAYS FACINHA: Não.

Você aceita transar sem camisinha ?
THAYS FACINHA: Não.



Posso pagar em bitcoins ou vale-transporte ou vale-refeição ou cotas de um triplex ou títulos venezuelanos ?
THAYS FACINHA: Não.


Tenho pau pequeno. Você poderia me dar um desconto ?
THAYS FACINHA: Não.



Prefiro que seu marido não esteja presente, assistindo a mulherzinha se prostituir. Pode ser assim ?
THAYS FACINHA: Não.

Não gosto muito de comer um cuzinho. Posso ficar só na sua bucetinha, Thays ?
THAYS FACINHA: Não.

 


Thays, você dá descontos para grupos e excursões ?
THAYS FACINHA: Não.

Thays, se eu mandar você ser minha cadelinha, você cobra extra por isto ?
THAYS FACINHA: Não.




A minha idade está muito fora da faixa etária que você definiu como ideal, entre 40 a 50 anos. Você faria uma exceção para mim ?
THAYS FACINHA: Não.

Se eu levar minha esposa para o seu marido comer, você me dá um desconto ?
THAYS FACINHA: Não.



Posso fotografar o meu pau totalmente enterrado no seu cuzinho ?
THAYS FACINHA: Não.
 
Sou estudante. Posso pagar meia ?
THAYS FACINHA: Não.






terça-feira, 28 de maio de 2019

Como me comer

Já expliquei várias vezes, mas vou repetir. Se você quiser contratar meus serviços de puta, é só mandar um e-mail para thaysfacinha@gmail.com anexando uma foto sua de rosto.

Pode ser uma foto que já esteja na internet, mas tem que ser uma foto recente e mostrar bem seu rosto para eu ver se você é bonitinho e está dentro da minha faixa etária (40 a 50 anos).



Você não precisa informar seu cpf, nem seu nome verdadeiro, nem o de sua esposa, nem o de seu cachorro, nem mais nada.

Eu dou para qualquer um desde que seja bonitinho. E pague, é claro.




O meu cachê é de R$ 400,00 (ou US$ 100,00) para uma tarde inteira e mais um pouco. Se você só tem duas horas, então cobro R$ 300,00. Melhor me contratar para a tarde inteira.

Meu marido estará presente, mas não participa. É que ele gosta de ver a esposinha se prostituindo.
 



Os meus serviços incluem all you can eat de sexo anal. Sempre de camisinha.

Deixo gozar no meu rostinho, não sou boazinha ?

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Em defesa das putas (quinta e última parte)

Esta é a última postagem desta série "Em defesa das putas" em que faço uma campanha para que o Governo crie uma Instituição Publica voltada para a proteção de putas, vadias e simpatizantes.

Nas postagens anteriores contei como era dura a vida das putas. Nesta postagem vou falar sobre as dificuldades também enfrentadas pelos parentes e amigos das putas.



Vamos começar pelos maridos das putas. Infelizmente, nem todos os maridos são como Sergio, o meu marido, que gosta de assistir a sua mulherzinha se prostituindo, dando a bunda por dinheiro.

Acontece, porém, que alguns homens se casam com putas, mas não estão preparados emocionalmente para isto. Aí, eles tem dificuldade de lidar com o fato de que quando a esposa sai para encontrar um cliente, o marido já sabe que sua esposinha está indo ser enrabada por outro homem.




Outra situação complicada para um marido de uma puta que não está pronto é atender uma ligação de um potencial cliente de sua mulher e o cara perguntar se ela aceita chupar sem camisinha e se pode gozar na boca dela.

Então o marido de uma puta tem que estar preparado para as condições peCUliares de trabalho de sua esposa. Por exemplo, quando ela chega em casa com o cuzinho totalmente arrombado após atender um monte de clientes.



Os pais de uma puta, também sofrem. Tenho uma amiga puta que atende em casa e mora com um pai já meio idoso. Um de seus clientes faz questão que ela atenda a porta nuazinha de saltos altos, mesmo quando o pai dela está na sala. Até aí não tem nada demais, afinal, o velho sabe qual é a profissão da filha.

O problema é que este cliente, só de maldade, gosta de dizer para o pai dela: "Vou comer a bundinha de sua filha hoje de novo, seu Afásio...."  Isto não é uma tremenda falta de respeito ?! 


Outra questão difícil para familiares de uma puta: as roupas. É natural que uma puta use shortinhos bem cavados, micro saias, biquinis mínimos. Isto faz parte do negócio.

Acontece, porém que os filhos de putas costumam ficar com vergonha quando a mãe deles vai para a praia usando um bikini com apenas um fiozinho na bunda, como este vermelho dessas fotos, por exemplo. Os coleguinhas ficam comentando e eles terminam sendo vítimas de bullying. Coitados !




O carnaval também pode trazer situações difíceis para uma puta. Esta é uma ocasião em que nós putas podemos faturar bastante, mas é preciso se exibir, tipo ficar em cima de um carro elétrico usando só um adesivo para tapar o sexo, um pouco de tinta e mais nada.

Então a família inteira tem que lidar com o fato de que sua filha/esposa/mãe/tia/prima desfila quase nuazinha pela vizinhança, para toda a galera ver.




Enfim, é preciso mobilizar a sociedade e construir um arcabouço legal para a proteção das putas.

Nós damos a bunda por dinheiro, sim, mas a bunda é nossa e o que fazemos é muito legal !








sexta-feira, 10 de maio de 2019

Em defesa das putas (quarta parte)


Continuo aqui esta série de postagens para chamar a atenção sobre as dificuldades enfrentadas por nós, as putas.

Acho que o Governo precisa dar uma ajuda para que possamos dar cada vez mais e melhor.




Estou propondo que seja criada uma Secretaria Especial para Proteção dos Direitos de Putas e Assemelhadas.

O Estado protege tantas minorias, porque logo nós, que deixamos todos ficar dentro, vamos ficar de fora ?




Um dos problemas que enfrentamos tem a ver com s próprias palavras. Por exemplo, mm filho de uma mãe que é prostituta é chamado pela expressão ofensiva de "filho da puta".

Isto é bullying !



Não há problema algum em dizer: minha mãe dá aulas em uma faculdade. Mas se alguém dizer: "minha mãe dá a bunda em um puteiro..."  todos os amiguinhos vão fazer bullying. Ninguém vai dizer: "Que legal!"

Puta maldade!




Entre as palavras usadas para nomear as putas, tipo vadia, vagabunda, cachorra, etc todas tem conotações negativas.

A melhorzinha é "garota de programa", mas esta pode levar as pessoas a pensarem que trabalhamos com softwares.




Outro problema de linguagem: quando querem dizer que um político se corrompeu e roubou, dizem: "ele se prostituiu..."

Isto é outra maldade: prostituta não roubamos ! Fazemos um trabalho e somos remuneradas por isto, igualzinho uma dentista ou uma vendedora da Natura.




O emprego do verbo "prostituir" com uma conotação negativa é muito ruim para a nossa categoria. Prostituir vem do latim prostituera e queria dizer "expor publicamente", o que não tem nada de errado.
 
Ao contrário, temos mais é que expor publicamente o que acontece neste País. Devemos prostituera o País !


terça-feira, 30 de abril de 2019

Em defesa das putas (terceira parte)


Acho que seria uma ótima ideia a criação de uma Delegacia Especializada para Putas, onde nós pudéssemos registrar os abusos que sofremos e exigir reparações. Poderia funcionar do lado da Delegacia para Turistas.

Afinal, as putas também merecem proteção da sociedade. Isto não pode ser deixado exclusivamente para a iniciativa privada, os cafetões.



 Um exemplo de abuso: o cliente contrata a puta para que ela seja sua cadelinha. Enfia um plug anal com rabinho nela, e manda a puta andar de quatro nuazinha enquanto ele a puxa por uma coleira. Aí ele coloca uma tijelinha no chão e manda ela empinar bem o rabinho e comer direto com a boca. Até aí tudo bem.

Só que ele coloca ração de cachorro para a puta comer ! Isto aconteceu de verdade com uma amiga minha. Não é uma maldade ? A gente tem que denunciar essas coisas.



Outra maldade: o cliente goza na boca de sua puta, enchendo de porra a boquinha dela. Até aí tudo bem.

Mas aí ele diz: "Não pode cuspir e não pode engolir !" E aí a menina tem que manter a boca cheia de porra, fica difícil até de respirar.



Eu, por exemplo, estou acostumada e deixar a minha boca cheia de porra depois que o cliente goza, para mostrar para o meu marido, mas tem colega que termina até se engasgando....

Acho que se o cliente quer que a gente fique guardando o leitinho na boca, ele tem que pagar mais por isto !



quinta-feira, 11 de abril de 2019

Em defesa das putas (segunda parte)


Na postagem anterior apresentei alguns pontos em defesa das putas. Todo mundo se preocupa com índios, caminhoneiros, gays e lésbicas, mas ninguém faz nada para corrigir a opressão da sociedade sobre as putas.

E haja pressão sobre as putas !



Então estou aqui propondo que o Governo crie uma Secretaria Especial em Defesa das Putas.

Precisamos fazer algo para o alívio de nossa tão sofrida classe profissianal.

 


A labuta das putas é dolorosa. Já contei, por exemplo, que a maioria de nossos atendimentos envolve sexo anal, mas a coisa é mais grave: a verdade é que a maioria dos clientes quando estão com uma puta, querem sexo anal selvagem !

Quando estão comendo o cuzinho de nós, putas, os homens enfiam o pau tudão de uma vez, até o mais fundo possível, martelando sem pena. No fundo, e bota fundo nisto, o que eles querem mesmo é deixar o cuzinho de sua puta bem arrombado para fotografar e depois mostrar para os amigos: "Olha só como eu deixei o cuzinho da puta..."





E ainda nos mandam rebolar !  E ainda nos dão palmadas estaladas na bunda !

Tenho amigas que gostam disto, eu mesma gosto muito, mas o que incomoda é a falta de reconhecimento. Deixamos o cliente fazer uma festa em nossa bunda e as vezes não recebemos nem um muito obrigado !


É claro que o cliente tem todo o direito de comer a nossa bunda, afinal ele pagou então pode nos enrabar a vontade, o nosso cuzinho está a serviço dele.

Mas pelo menos vai com cuidado!