quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Hot Maid

 
A Espanha passou por uma grande crise de desemprego em 2009, mais ou menos como está acontecendo atualmente no Brasil, por causa da incomPTencia do governo.
 
Algumas garotas espanholas lidaram muito bem com isto: de acordo com esta notícia, a crise  impulsionou uma nova modalidade de trabalho na Espanha: os serviços domésticos eróticos.
 
 
 
 
Todo mês milhares de mulheres oferecem o serviço, que não tem nada a ver com prostituição, afinal as empregadas apenas fazem os serviços domésticos com pouca ou nenhuma roupa, na frente do patrão.

Sexo não está incluído, mas mesmo assim, os serviços domésticos eróticos custam mais caros do que os convencionais e atraem principalmente mulheres espanholas que jamais haviam exercido a prostituição, de acordo com a notícia.




 
Uma grande quantidade de espanholas casadas e com filhos encontraram no serviço doméstico erótico uma solução para pagar as contas no fim do mês.

Elas não deixaram de ser mulheres honestas só por que trabalham seminuas fazendo poses. Se a gente pode ficar assim na praia, em público, por que não dentro de um apartamento, com total privacidade ?
 
 
 
 
Este trabalho é uma mistura de serviços de limpeza, cozinha, lavar e passar com poses eróticas. O patrão pode ficar o tempo todo acompanhando o trabalho de sua empregadinha, para ver se o serviço está sendo feito direitinho.

Se a empregada estiver caprichando, o patrão pode recompensá-la com um carinho na bunda.  Se a empregada for casada, imagina como seu marido ficará orgulhoso ao saber que sua mulher trabalha tão bem que o patrão fica horas passando a mão na bunda dela como agradecimento ?
 



Por outro lado, se tiver feito alguma coisa errada, aí o patrão tem o direito de lhe dar umas palmadinhas. Isto acontece de vez em quando até mesmo por pura maldada do patrão.

A gente tem que estar disposta a mostrar o cuzinho e a apanhar para ajudar no sustento da família.



segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Muitas palmadas é o que desejo em 2016


Dizem que 2016 vai ser um ano difícil, mas isto não vale para mim, que sou bem facinha e vou continuar assim, para alegria da galera.

Mas acho que muitas coisas vão deixar meus clientes, amigos e donos irritados em 2016,  então tenho a solução para o problema de todo mundo: basta descarregar a raiva dando palmadas em minha bunda.

 
 
Se a política, a situação econômica ou o seu time de futebol deixarem você chateado, é só contratar os meus serviços profissionais. 
 
E, principalmente, se a sua mulher é uma chata e não aceita apanhar como merece, então sirva-se de mim: descarregue sua energia batendo em minha bunda à vontade ! 
 
 
 
 
Basta o cliente dizer: "Thays, se preparara para apanhar !" que eu já sei o que fazer: Fico com minha bunda bem empinadinha pronta para levar palmadas e digo: "Pode me bater, que eu mereço muito ser castigada!"
 
Aí, depois que a palmada estala na minha bunda, eu dou uma gemida e digo: "Obrigada!"
 


A verdade é que nem toda mulher merece apanhar. Eu, felizmente, mereço.

Além de ser piranha, sou muito exibidinha. Por exemplo, este bikini que estou usando nas fotos também uso quando vou à praia, na Reserva. É só passar lá e ver.

 
Sei que alguns clientes gostam de estalar palmadas na minha bunda não só por que eu mereço e nem mesmo por que são malvados, mas por que gostam de ver a minha bunda enfeitada com marcas vermelhas quando depois vão comer meu cuzinho.
 
Eles estão pagando, então tem o direito. É justo!
 
 
 
 
O meu marido não se importa em me ver sendo surrada por outro homem. Assim ele pode ver minha carinha de dor e humilhação quando estou apanhando.
 
Aliás, meu marido costuma até incentivar o cliente dizendo: "Bate bem na bunda da vadia da minha mulher, que ela merece!"




sábado, 28 de novembro de 2015

Como me tornei Facinha


Acho que já contei esta história, mas outro dia me perguntaram novamente se o meu sobrenome é mesmo Facinha. Claro que não é !  Facinha é um apelido que tenho desde os tempos do segundo grau. E o meu nome não tem nem H, nem Y, eu assino Thays por uma questão de numerologia e também porque é mais chique.

Na minha turma no colégio havia duas Taís. Uma era super certinha e estudiosa e a outra era eu. Para diferenciar entre nós duas, começaram a chamar a outra de CDF, mas aí alguém lembrou que eu também era CDF, mas o F era de foder.



Aí, algum gênio teve a ideia de me dar o apelido Facinha, que eu mesmo gostei. Na época eu deveria ter uns 15, 16 anos, mas era bastante precoce e já tinha uma bela bunda.

E além disto, eu já adorava dar !




Naqueles tempo, a virgindade da mulher ainda era valorizada - o que acontece até hoje, se você for evangélico.

Aí eu percebi que preferia sexo oral e anal do que vaginal: eu vivia chupando pau e dando o cuzinho, ou seja ficou fácil unir o útil ao agradável.




Mas eu não dava para qualquer um, mas só para os garotos que eu achava bonitinhos e legais. Na prática, porém, isto incluía quase toda a turma. E os garotos de outras turmas do colégio. E até alguns professores.

Eu também gostava de brincar com algumas meninas, mas o problema é que não sobrava muito tempo na minha agenda.




Além disto, praticamente não havia Aids, ninguém se preocupava muito, então me especializei em deixar meus coleguinhas ficarem alternando seu pau entre minha boca e minha bunda cuzinho até gozarem. As vezes enchiam minha boca de porra, às vezes, meu cuzinho !

Ainda faço isto, mas só com homens especiais.


 
 
Então, foi daí que veio o apelido Facinha. Nunca foi difícil comer minha bunda. Bastava ser bonitinho.
 
Mas agora estou mais profissional, graças a meu marido, que diz que nenhum outro homem além dele pode me enrabar, só se pagar. Veja mais em: http://suathays.blogspot.com.br/
 



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

As cinco taras mais frequentes de meus clientes e amigos

Na minha vida de Facinha, as cinco sacanagens mais comuns que meus clientes e amigos me pedem para fazer e que sempre atendo com prazer são:

Em quinto lugar, desfilar usando os mesmos biquininhos de silicone que uso na praia. Aliás, não sei por que me pagam para fazer o que eu faço de graça na praia. Qualquer um que quiser me ver usando meus biquins fio dental, é só aparecer na praia da Reserva, aqui no Rio, no sábado ou no domingo. O meu marido até me manda fazer poses, para deixar meus admiradores ainda mais felizes !



 Em quarto lugar, ficar andando de quatro, bundinha bem empinada, com um consolo enfiado em meu cuzinho. É meio humilhante, mas, afinal, estou sendo paga para isto.

Só mesmo um marido muito liberal para deixar a mulher ficar se oferecendo como se fosse uma cachorrinha para outro homem. Ainda bem que o meu marido é assim.





Em terceiro lugar, meus clientes e amigos gostam de me dar palmadas na bundinha. Eu sei que mereço, então só posso gemer e pedir mais palmadas.

Um marido mais antiquado certamente não ia gostar de ver outro homem batendo sua mulher. Sorte que o meu marido é bem moderno !




Em segundo lugar, meus cientes e amigos me pedem para chupar o pau. Faço garganta profunda, e também deixo enfiar um pouco no meu cuzinho de vez em quando, só para variar.

Mas no final, antes de engolir, faço questão de mostrar minha boca cheia de porra para o meu marido, para ele saber como sou vadia...


Em primeiro lugar, é claro, está o anal. É a minha especialidade ! Deixo o cliente ou amigo comer a vontade o meu cuzinho, em todas as posições, quanto tempo quiser. Pode enfiar tudo sem pena.

Depois faço questão de mostrar para o meu marido como fiquei arrombadinha...

 
Além estas cinco taras, há outras, mas não são tão comuns. Por exemplo, há os que gozam na minha boca e depois me mandam ficar conversando com a boca cheia de porra, sem poder cuspir nem engolir.
 
E também há os que fazem questão de gozar na minha bunda, e aí me mandam abrir a bunda para eles deixarem uma pocinha de porra bem em cima do meu cuzinho.
 
 
 

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Club Mix


Em algumas quartas-feiras, meu marido e eu temos ido ao Club Mix, à tarde/noite. É um puteiro disfarçado de boate swing, mas não engana ninguém. As instalações são meio decadentes, mas o banheiro, pelo menos, é limpo.

Os frequentadores são, na grande maioria, solteiros. Há, é claro casais e também algumas garotas de programa. O preço é bem em conta.




A sensação de estar em um puteiro, cercada de "clientes" é justamente o que me atrai no Club Mix. Me sinto em casa lá. Além disto, a casa possui espaços interessantes, onde dá para brincar bastante, como vou contar aqui.


O Club Mix possui um terraço, na cobertura, com algumas mesinhas e serviço de bar. É engraçado, por que fica no centro do Rio, cercado de prédios comerciais e escritórios. O terraço é bem devassado, há centenas de janelas em volta, o que combina comigo que também sou bem devassa.

 
 
Então a minha primeira brincadeira é subir no terraço, tirar a sainha e ficar me exibindo e fazendo poses, com uma blusinha e fio dental, como estou nas fotos acima e abaixo.
 
Fico imaginando a alegria que estou dando (adoro dar alegrias) aos pobrezinhos que estão fazendo serão nos escritórios em volta. A única coisa que precisam fazer é olhar pela janela.




A segunda brincadeira é ir para a sala escura e ficar nuazinha. Em 12 segundos já estou cercada de mais de 6 rapazes. Aí deixo que eles me acariciem e rocem o pau deles na minha bunda, sempre, é claro, com todo respeito. Dou atenção a todos, não deixo que ninguém me monopolize, afinal quero dar alegria a muitos !

A terceira brincadeira é dançar no queijinho da boate, só de biquininho. Nesta hora, todos tem certeza que sou uma putinha, é bem legal !




 A quarta brincadeira é a que fecha a noite e a que mais gosto: escolho o rapazinho mais interessante e junto com meu marido vamos para o quarto-aquário. É um quarto, como o nome indica, que tem uma parede de vidro, para quem está de fora poder ver tudo o que acontece.

Aí peço para o rapazinho comer meu cuzinho. Adoro saber que tem um monte de gente me vendo dar a bunda. Olho para a galera do lado de fora e vejo como ficam excitados. Não é uma delícia ?








quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Respeito é importante !


Respeito é muito importante para casais liberais, como eu e meu marido, tanto quanto para casais conservadores. Nós dois construímos uma relação baseada em respeito talvez até mais forte do que costuma acontecer com casais carolas.

Por exemplo, sei que meu marido não se importa que eu faça poses arrebitando a bundinha quando estamos em uma boate, em uma praia ou até mesmo na rua. Na verdade, meu marido as vezes até me manda ficar assim oferecendo minha bunda para outro homem e fazer carinha de puta, ele diz que eu fico linda assim.

 
Mas o meu marido não gosta muito de ver outro homem me batendo. Então quando percebo que vou apanhar, eu peço permissão para o meu marido antes da primeira palmada estalar na minha bunda.
 
Só qunado meu marido autorizo é que eu libero minha bunda para o cliente me castigar a vontade, eu sei que mereço isto.
 

 
Em relação a dar minha bunda, já estou tão acostumada que nem peço mais para o meu marido dar licença.
 
E meu marido nem se importa: sempre que estou com outro homem, ele sabe que vou terminar sendo enrabada, é inevitável, e sei que mereço isto também.
 
 
 
Agora o que o meu marido nunca deixa de me pedir é, quando estou dando a bunda para outro homem, para abrir minha bunda para o pau do outro entrar todão em meu cuzinho.
 
Meu marido só arreganha meu cuzinho para outros comerem se eu concordar. Acho isto uma puta demonstração de respeito.



quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Ensinando a castigar marido ciumento



Meu marido é liberal, mas as vezes tem crises de ciúmes e tenta me fazer ficar mais comportadinha. Não acontece com frequência, mesmo por que sei o que fazer toda vez que ele se mete a mandão: dar um castigo.

Já falei sobre isto em outra postagem, mas achei que seria bom divulgar de novo: a melhor maneira de educar marido ciumento é a mulher colocar o menor biquíni que tiver e ir para a praia se exibir.




No meu caso, o meu menor bikini é transparente e com fiozinho de silicone. Dá impressão que estou nua.

Essas fotos foram tiradas pelo meu marido na praia da Reserva aqui no Rio, que em geral é vazia, mas sempre aparecem admiradores. Ainda bem.


 
 
Até mesmo o meu marido liberal fica um pouco contrariado quando uso o meu biquininho transparente de silicone. Mas ele sabe que nem adianta protestar por eu estar assim tão nuazinha: isto é um castigo para ele aprender a não me sufocar com os ciúmes dele.
 
É assim que a gente educa marido: se ele resolver bancar o chato, então vai ter que se conformar em ver a mulherzinha peladinha na praia se exibindo para a galera.
 
 
 
Homem é sempre meio machista e nenhum aceita tranquilamente assistir sua esposa fazer a alegria dos punheteiros de plantão, em público. 
 
Então é assim que funciona o castigo: se bancar o ciumento comigo, vai ter que aguentar me ver me exibindo nua para a galera.
 
 
 
Este bikini tem só uns paninhos transparentes na frente e atrás é só o fiozinho de silicone. Então é mesmo como se eu estivesse nua, fazendo a festa da rapaziada.
 
Sei que com um biquíni como este todo mundo pensa que sou uma putinha, ninguém vai imaginar que sou uma senhora casada que apenas está dando uma lição no marido para que ele não seja mas ciumento. Paciência.
 
 
 
A primeira parte da vingança é ficar de pé, fazendo poses, para atrair os taradinhos da praia.
 
Aí costumo falar para o meu marido, só para sacanear: "Amor, por que você não gosta que eu use este bikini ? Mas olha só como todo mundo gosta !
 
 
 
Aí vem a segunda parte da vingança: Acontece que este bikini sempre entra na minha bucetinha, por que ele é muito pequenininho.
 
Não sou eu que coloco, ele entra sozinho, o que posso fazer ? 
 
 
Aí eu me sento de frente para a rapaziada que apareceu e pergunto para o meu marido: "Amor, minha bucetinha tá aparecendo ?"
 
Quando ele confirma, aí é que eu castigo: "Você se importa que eu fique mostrando minha bucetinha para esta galera ?

 
 
Se ele responder que não, isto é sinal que já aprendeu a lição.
 
Se responder que sim, deixo o bikini entrar mais um pouquinho. . .