sexta-feira, 21 de julho de 2017

A Solução Facinha para o Rio de Janeiro: Segurança para Turistas


O Rio de Janeiro está destruído e a minha Solução Facinha poderia ajudar a melhorar um pouco as coisas recuperando o turismo. Mas para isto acontecer, temos que oferecer segurança aos turistas.

Seria melhor, é claro, oferecer segurança para todo mundo, afinal quem mora no Rio só não foge daqui porque não pode por algum motivo, está ruim para todo mundo, não só para turistas. O problema é que o Estado do Rio de Janeiro está quebrado, roubaram demais anos a fio e agora não há recursos para nada. E aí?



A solução é a gente pagar para oferecer mais segurança aos turistas. Isto vai dar um retorno imenso logo logo. Quem deveria fazer isto era o Estado, mas como nós, o povo do Rio de Janeiro, votamos em Cabral (duas vezes), Rosinha, Garotinho e Crivella... merecemos pagar pela nossa estupidez e sofrer as consequências, paciência, agora temos que pagar.

Aliás, a gente tem que aprender a aceitar as consequências de nossas decisões.  Por exemplo, quando eu me inclino desta maneira em uma mesa, na frente de um cliente ou amigo, já sei qual será a consequência: ele vai comer minha bunda.


Outro exemplo: quando uso o bikini fio dental destas fotos na Praia da Reserva, sei que vou ficar cercada de taradinhos se masturbando e tenho que aceitar isto.

Mais um exemplo: quando estou dançando nuazinha com meu marido em uma boate de swing, cercada de solteiros com o pau de fora, e meu marido abre minha bunda para me exibir para a galera, ele também sabe a consequência: sua esposinha vai ser enrabada por um monte de homens.

 

Então, como já escrevi na postagem anterior, temos que pagar. Por exemplo, pagar seguranças, como o Centro Presente, Lapa Presente, etc. Também podemos pressionar para valer as nossas "autoridades" contra a desordem urbana sob a forma de camelôs, pedintes, pivetes, etc. Não podemos aceitar isto.

Uma outra forma de ajudar a combater o crime é através do aplicativo sinesp cidadão que você pode instalar em seu celular e que informa se determinada placa é de veículo roubado ou se a placa corresponde realmente a aquele tipo e cor de veículo - caso contrário, a placa é falsa e o veículo é roubado. Aí você avisa a PM, não vá abordar ninguém. Aliás, é importante denunciar tudo que você achar esquisito.


Em resumo: temos que aceitar que há uma guerra civil acontecendo no Rio de Janeiro. Os bandidos  contam com o apoio de um terço da população do Rio, a qual compra produtos roubados, não delata os bandidos e hostiliza a polícia.

E temos que aceitar também que a segurança é um problema da gente mesmo, dos dois terços da população do Rio que não está do lado dos bandidos. Afinal, não há mais governo federal, nem estadual e nem municipal atuando no Rio de Janeiro. E temos que proteger primeiro os turistas, para que eles não parem de trazer dinheiro para o Rio e assim a gente consiga se recuperar um pouco.







sábado, 15 de julho de 2017

A Solução Facinha para o Rio de Janeiro.


Nesta postagem e nas próximas três vou apresentar a Solução Facinha para ajudar a vencer a crise que derruba a minha cidade, o Rio de Janeiro. Em postagem anteriores, examinei a principal causa dessa crise, que é a grande capacidade do brasileiro e do carioca em especial de eleger criminosos, corruptos e incompetentes. Somos muito bons nisto e vamos continuar sendo,  infelizmente.

E como este assunto é muito sério, preferi não ficar nua nestas fotos, para não parecer falta de decoro. Então estou com o meu fio dental de silicone, que costumo usar quando estou na Praia da Reserva, aqui no Rio. Muita gente já me viu assim, então não tem nada demais.



A minha Solução Facinha para o Rio de Janeiro é, como o nome indica, para o Rio de Janeiro e não para o resto do Brasil e muito menos para outros lugares complicados do mundo. Então, meus caros admiradores da Coreia do Norte, sinto muito, não sei o que propor para ajudar vocês.

A minha Solução Facinha para o Rio de Janeiro é, como o nome também indica, facinha de ser implementada. Ou seja, não depende de uma mudança radical de comportamento do povo do Rio de Janeiro, que certamente vai continuar elegendo marginais como a filha do Garotinho, ou do Cabral, assim que tiver uma chance, isto se não elegerem de novo os próprios. A gente não aprende com os erros, não tem jeito.


Para a Solução Facinha ser facinha, ela não pode depender de recursos doados pelo Governo Federal,  e nem pode depender que o Pezão, legítimo sucessor corrupto do Cabral, e o Crivella, castigo divino para o Rio, sejam bons gestores.

A Solução Facinha para o Rio de Janeiro se baseia apenas no que a gente já tem: uma cidade muito, muito linda, com mulheres maravilhosas e generosas,e eu me incluo entre elas, modéstia a parte. 



A Solução Facinha para o Rio de Janeiro acontece com uma grande entrada (adoro esta expressão) de dinheiro dos gringos, de turistas de toda a parte do mundo.

A princípio isto pode parecer impossível, afinal os estrangeiros já sabem que o Rio é uma cidade muito violenta, onde eles provavelmente serão assaltados ou coisa pior. No passado, ainda apareciam alguns turistas desavisados por aqui. Agora isto não acontece mais e os hotéis estão vazios, os hostels fechando. O Rio é uma cidade perigosa, suja e poluída.


Então a primeira parte da Solução Facinha para o Rio de Janeiro é cuidar da segurança. Mas como é que isto vai ser feito ? Afinal se o Estado está falido, metade da frota da PM está enguiçada, sem verba para o conserto, etc, etc...

A solução é simples: vamos primeiro cuidar com toda a atenção da segurança das áreas frequentadas pelos turistas, afinal,  não são tantas assim: Ipanema, Copacabana, Pão de Açúcar, Corcovado, etc. Vamos criar um perímetro de segurança turístico. Depois a gente cuida do resto, mas primeiro vamos garantir que nenhum turista será assaltado, se ele ficar dentro deste perímetro.


Então seria uma espécie de "Copacabana/Ipanema/Etc Presente" - o que aliás, já está para acontecer, como já fizeram no Centro e na Lagoa. Mas acho que ficaria ainda melhor se os próprios moradores do bairro fossem incentivados a "soprar o apito", isto é a denunciar sempre que virem pessoas suspeitas. Sei que no início seria um "apitaço" sem fim, mas logo logo a marginália ia procurar um local mais tranquilo para "trabalhar".

Outro fator para a melhoria da segurança seria um Grande Choque de Ordem. Claro que um molenga  como o Crivella não vai ter coragem de fazer isto, mas os próprios moradores poderiam denunciar sem trégua e encher o saco de vagabundos, camelôs, mendigos, pivetes, etc, etc que infestam o bairro. Nada contra eles: podem ir para outras partes da cidade em que não comprometam o turismo. Muitas pessoas trabalhadoras (como minhas amigas garotas de programa) dependem do turismo e não é justo que eles prejudiquem o já minguado ganha-pão delas.





sexta-feira, 7 de julho de 2017

A Ética de Thays Facinha


Tem dois tipos de sacanagem: a boa, que é o que eu e muitas amigas fazemos, e a má, que é o que o trio Temer, Pezão e Crivella, faz porr aí.

Este blog foi feito para promover a boa sacanagem, mas também pode servir para denunciar a má sacanagem. As pessoas devem praticar a boa sacanagem em toda oportunidade que tiverem e também denunciar a má sacanagem em toda oportunidade que tiverem. Esta é a Ética de Thays Facinha.



Em uma postagem anterior, eu afirmei que Temer é um canalha. Alguém então comentou que Temer sequer tinha grandeza para ser um canalha, conforme uma tal de Cora Ronai tinha escrito no Globo.

Eu também concordo com a Cora e vi que ela ainda escreveu uma coisa que achei muito legal:
Temer usa o seu tempo, custeado com os nossos impostos, para cuidar da sua permanência num cargo em que ninguém o quer mais. Ministros têm as agendas suspensas, e tudo para na capital de um país com 207,8 milhões de habitantes, só porque um bandido precisa provar para outros bandidos que não é tão bandido assim. É isto aí !



Na última postagem, eu também lembrei que o Rio de Janeiro está fudido, no mau sentido, e que a culpa disto é do próprio povo do Rio de Janeiro, que foi o responsável pela eleição do Cabral. Outros leitores lembraram que Cabral (em dois mandatos!) não foi o único bandido, mas também a Rosinha, o Garotinho, o Brizolla, o Marcelo Alencar e last but not least, o Pezão, legítimo herdeiro e comparsa do Cabral.

Então me lembrei que ainda não havia falado sobre o Crivella, o prefeito do Rio, eleito pela comunidade evangélica, que com isto vem ajudando bastante o Senhor a punir o Rio de Janeiro pelos nossos pecados.




Crivella pegou uma cidade com uma situação econômica ruinzinha e muitos problemas. O Rio porém tem um potencial turístico fantástico e um bom prefeito poderia fazer isto render muito para os moradores da cidade.

Infelizmente, não é o caso, pois Crivella é medíocre. Está preocupado em viajar para a Europa às nossas custas e em conseguir uma boquinha na prefeitura para seu filho - o que ainda não conseguiu, mas segue tentando.



Além disto, Crivella também está ajudando o Senhor a castigar o povo da cidade. A ordem pública na cidade acabou. Camelôs vendendo produtos roubados infestam as ruas da cidade e aumentam a sensação de insegurança. A limpeza e a iluminação das ruas e praças estão péssimas. Muitos buracos em toda a parte.

Mas o Crivella é especial, pois está detonando o que nenhum prefeito do Rio de Janeiro já pensou em abandonar: o carnaval carioca. Além dele ter vergonhosamente se escondido no carnaval passado, agora vai reduzir o investimento para a cidade ter um carnaval bonito - não só em Escolas de Sambas, mas no carnaval de rua também.


Isto já chegou ao conhecimento dos turistas e já há sinais preocupantes de queda no movimento das reservas para o carnaval nos hotéis do Rio.

É possível que São Paulo, que já tirou o mercado financeiro do Rio, também tire o nosso carnaval. Nós merecemos isto, por termos eleito Crivella. Quem gostar de carnaval, que vá para São Paulo.




Aliás, Crivella não leva a sério o turismo no Rio de Janeiro. Assim que ele foi eleito, extinguiu a Secretaria de Turismo.

Sei que muitos de meus leitores são pastores evangélicos e certamente eles não vão gostar dessas críticas. Da mesma forma, tenho leitores que votaram na dupla Dilma & Temer e que se sentem ofendidos toda vez que eu critico Dilma e/ou Temer. Sinto muito, apesar de ser especialista em levar pau e não em mandar pau, eu precisava escrever estas coisas.



Então escrevi esta postagem e as duas anteriores criticando os políticos e, principalmente, nós mesmos, por termos eleito esses bandidos. Mas nas próximas postagens, vou ser mais positiva: vou apresentar algumas ideias que podem incentivar o turismo aqui no Rio, aproveitando nossos talentos e belezas.
 
Aguardem !